Comparativo: Risco Sacado X FIDC X Desconto Dinâmico

Micro e pequenas empresas são parte essencial da cadeia produtiva brasileira, ao participar desde a produção de insumos, passando pela venda de matéria prima, até a compra e revenda de produtos para que eles cheguem as mãos do consumidor final. Com a dificuldade financeira e burocrática para acessar capital de giro, como já falamos por aqui, o endividamento dessas empresas alcançou o recorde em 2014, conforme dados também já apontados no nosso blog. Tendo em vista o cenário sistêmico em que estamos inseridos, procurar novas soluções para o problema de capital de giro das MPE’s é fundamental não só para alimentar a cadeia produtiva, como também para uma melhora geral na nossa economia.

Na tentativa de solucionar o problema de capital de giro das empresas, alguns novos produtos surgiram no mercado, como o Risco Sacado, o FDIC, e também a solução Quartilho de antecipação de recebíveis (desconto dinâmico).

Risco Sacado

O Risco Sacado é uma solução bancária para financiamento do capital de giro das micro e pequenas empresas associadas a uma empresa âncora, com um custo financeiro inferior às linhas de crédito tradicionais. Isto ocorre pois a empresa âncora utiliza seu limite de crédito no banco para antecipar pagamentos para seus fornecedores, deixando assim, as taxas mais atrativas. Essa solução possibilita que MPE’s tenham acesso a capital de giro a um custo mais favorável que os meios tradicionais, mas as empresas âncoras, em geral, não obtém nenhum ganho financeiro com o uso do Risco Sacado.

Risco Sacado X Desconto Dinâmico

Diferente do Risco Sacado, que mantém os prazos de pagamento para a empresa âncora, o Desconto dinâmico reduz esse prazo em prol do aumento do retorno financeiro das empresas âncoras (a maior parte dos descontos concedidos para pagamento antecipado pelos fornecedores fica com a empresa âncora e remunera seu dinheiro). É importante frisar que a empresa âncora não incorre em nenhum risco adicional neste tipo de operação, visto que somente os pedidos já recebidos autorizados para pagamento são passíveis de adiantamento. Com intuito de acompanhar a instabilidade característica de grande parte das empresas brasileiras, é possível utilizar as duas soluções de forma complementar, escolhendo a mais adequada para seus diferentes momentos financeiros.

FDIC

O FDIC, ou Fundo de Investimento em Direitos Creditório,  é um tipo de fundo em que a maior parte dos recursos é destinada à aquisição de direitos creditórios, ou seja, créditos a receber.  Esse tipo de fundo permite que fornecedores recebam suas notas fiscais antecipadamente mediante desconto. Todo o ganho obtido com a operação (os descontos concedidos pelos fornecedores) fica para o fundo, não gerando ganhos para a empresa âncora. Embora no papel o FDIC funcione muito bem, na prática é uma solução bastante burocrática. Várias empresas brasileiras têm tentado utilizar mas poucas obtêm sucesso com tal operação.

FDIC X Desconto Dinâmico

A principal diferença que o Desconto dinâmico trás frente ao FDIC é o fato de que o retorno financeiro oriundo dos descontos concedidos pelos fornecedores para recebimento antecipado fica, em sua grande parte, para a empresa âncora, melhorando seu retorno financeiro, quando comparado a outras possibilidades de investimento.

Outras soluções X Desconto Dinâmico

Além do Risco Sacado e FDIC, algumas outras modalidades de soluções para o problema de capital de giro das micro e pequenas empresas já existem no Brasil, mas com exceção do Desconto dinâmico, nenhuma delas permite que a empresa âncora lucre com tal operação. A Desconto dinâmico, solução trazida ao Brasil pela Quartilho, chega ao mercado para diminuir o endividamento de MPE’s possibilitando taxas competitivas para obtenção de capital giro, aumentar o retorno financeiro das grandes empresas, alimentar a cadeia produtiva e consequentemente melhorar a economia brasileira. Conheça aqui nossa solução.

Sobre o autor Ver todos os artigos Site do autor

Manuela Soares